Independência de classe e luta para uma saída definitiva para a crise

A despeito da diretoria ilegítima de nosso sindicato – cuja inépcia este ano mais uma vez nos rendeu falta injustificada e zero de reajuste salarial – a grande adesão e participação de servidores e servidoras de São Bernardo do Campo na Marcha das Mulheres no dia 08 de março na Paulista, na paralisação do dia 15 de março e na greve geral de 28 de abril, entre outros atos, são exemplos de que existe muita disposição de luta entre os funcionários públicos do nosso município, mas existe há anos uma crise de representatividade e de direção que atravanca a organização da categoria; essa crise é alimentada pela burocratização da direção, que se sustenta no sindicato fomentando a divisão entre servidores públicos.

Se repararmos bem, as questões que afetam servidores de todos os segmentos, quadros, secretarias e autarquias são semelhantes (quando não são as mesmas); isso porque em geral elas são causadas pelos mesmos motivos e origens: o desprezo dos governantes com o servidor público e a política de desmonte do serviço público aplicada pelos políticos de todos os partidos que estiveram no governo. É que no capitalismo via de regra a receita dos governos e dos patrões para as crises econômicas é fazer com que os trabalhadores paguem pela crise, daí começam o que eles chamam de “cortes na própria carne” (só que na NOSSA carne!): não fazem concurso público para recompor os quadros defasados, terceirizam, privatizam, congelam salários, precarizam as condições de trabalho… Isso quando não utilizam recursos dos trabalhadores para subvenção de empresas privadas, como fez Marinho em 2014 ao repassar verba do Fundo de Previdência dos Servidores para empresas de transporte coletivo!

Acreditamos que a unidade dos trabalhadores na base é o caminho para criar resistências e garantir direitos; mas mesmo essa luta tem seus limites, porque crises econômicas são fenômenos cíclicos próprios do modo de produção capitalista. Por isso, participamos da CSP-Conlutas, Central Sindical e Popular que reúne sindicatos, federações, oposições sindicais, movimentos sociais e de combate às opressões para fazer a resistência e construir uma saída classista para a classe trabalhadora e a população pobre, isto é, uma sociedade verdadeiramente socialista, em que a vida e o bem-estar social sejam valorizados acima de tudo. “MUDAR O MUNDO É POSSÍVEL, URGENTE E NECESSÁRIO” (PAULO FREIRE).

 Participe com a gente!

SERVIDORES SBC/ CSP-CONLUTAS

Whatsapp: 98224 2542

Facebook: @servidoressbc

Anúncios